Revestimentos: o que são e como escolher

5 Outubro 2021

O revestimento das superfícies exteriores e interiores (paredes, pavimentos, tetos e coberturas, etc.) é outra das importantes etapas para garantir que a sua casa se mantém em boas condições ao longo dos tempos, mesmo contando com o desgaste natural e inevitável. Decisões infelizes ou falhas nesta etapa podem causar danos de difícil reparação e custos elevados em constantes manutenções.

O que é o revestimento e para que serve?

Na construção civil designa-se por revestimento a camada que protege ou melhora uma superfície, seja esta uma parede interior ou exterior, um piso, um teto ou um telhado (cobertura), e inclui um leque de técnicas e produtos como a impermeabilização, o reboco, o estuque, a pintura e a aplicação de telhas, entre outros.

Os revestimentos servem para tornar as paredes, pisos ou coberturas resistentes ao impacto mecânico, ao impacto climático/térmico e acústico, e ao impacto do uso quotidiano. O objetivo é garantir a segurança das estruturas ao manter as características da casa em boas condições. Prolonga-se, então, o inevitável desgaste e evita-se custos em reparações de estragos ou de graves problemas a nível das redes e estruturas da edificação.

Que tipos de revestimento há e como escolher?

A primeira regra que deve ter em atenção no que diz respeito aos revestimentos, sejam de interior como de exterior, é que estes têm de ser compatíveis com o tipo e função de superfície onde serão aplicados: por exemplo, as paredes de casas de banho e as dos quartos cumprem funções diferentes e, portanto, têm exigências diferentes.

Tal como o tipo de material das superfícies exteriores e interiores é escolhido de acordo com o tipo de função que estas têm, assim também se faz a escolha do tipo de revestimentos a aplicar.

Nas superfícies exteriores, as principais funções são a estanqueidade, a impermeabilização, o isolamento térmico e acústico, e o conforto tátil e visual, existindo um leque de revestimentos correspondente:

  • placas de pedra natural ou de outros materiais, tijolo, ligante sintético armado;
  • reboco, capoto, ETICS, ETFE; esmaltes e vernizes;
  • telhas, ladrilhos;
  • tinta.

Já as superfícies interiores cumprem as funções de regularização, de resistência, de manutenção das condições de higiene, e de conforto tátil e visual, e o tipo de revestimento inclui:

  • estuques e grafiato; placas de gesso laminado (PGL),
  • esmaltes, vernizes;
  • azulejos, mosaicos, madeira, cortiça, cerâmica, pedras naturais e sintéticas;
  • tintas, papel.

Cabe aos arquitetos e engenheiros responsáveis pelo projeto e obra fazer as opções adequadas, embora haja aspetos que a equipa técnica decida consigo, nomeadamente o revestimento de interiores e, em particular, o tipo de acabamentos de paredes, pisos e rodapés, tetos e frisos, entre outros.

Todavia, não deixe de acompanhar todos os momentos do projeto, incluindo a obra, nem de manter o diálogo aberto com todos os intervenientes. Não prescinda de recorrer as ferramentas que criámos especialmente para si – o nosso simulador online e o Gabinete técnico à distância de um clique ou telefonema.

 

Imagens © direitos reservados

Publicações Recentes

Já se candidatou ao Vale Eficiência?
Já se candidatou ao Vale Eficiência?
28 Novembro 2023

Já conhece o apoio Vale Eficiência? Sabe do que se trata e quem tem direito?

Este apoio é financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), com uma dotação de 104 milhões de euros, e tem como intuito entregar 100 000 vales a famílias economicamente vulneráveis e que habitem em edifícios em situação de pobreza energética.

Este vales podem ser utilizados para investir na melhoria do conforto térmico das habitações através da realização de intervenções na envolvente ou da substituição ou aquisição de equipamentos e soluções energeticamente eficientes.

Eficiência energética em imóveis: Como tornar a sua casa mais eficiente
Eficiência energética em imóveis: Como tornar a sua casa mais eficiente
8 Novembro 2023

Num mundo cada vez mais preocupado com a sustentabilidade e a conservação de recursos, a eficiência energética em imóveis tornou-se uma questão central. A nossa casa é onde passamos a maior parte do tempo, e é também onde consumimos a maior parte da energia. Portanto, tornar a nossa casa mais eficiente em termos de energia não só beneficia o ambiente, mas também a nossa carteira.