Terrenos são tendência de investimento

24 Janeiro 2023

Se a pandemia de Covid-19 e os consequentes confinamentos vieram despoletar a procura por terrenos rústicos e urbanos, o regresso à normalidade não abrandou a tendência e são cada vez mais as pessoas que optam por investir neste tipo de imóveis. É o reflexo de uma viragem no paradigma de vida e nos hábitos de consumo. Saiba porquê.

Terrenos rústicos

Classifica-se de terrenos rústicos os campos agrícolas, os pastos e as áreas florestais (florestas, bosques, matas, etc.), e nos quais não se permite o desenvolvimento urbano.  Ora se a lei não permite a edificação, por que motivo cresce a demanda por este tipo de terrenos? A resposta está na viragem do paradigma de vida que a pandemia veio desencadear: num mundo virado do avesso que trouxe à luz do dia as fragilidades da economia global, o suporte foi mesmo a economia local e a natureza (como fonte de rendimento e refúgio para a saúde física e mental).

As pessoas tomaram nova consciência do valor intrínseco da terra e, desde então, têm olhado para os terrenos sob outra perspetiva: já não é só o pedaço de terra onde se vai construir a casa de férias da família, mas sim a terra que pode vir a ser o berço de um projeto agrícola, energético ou turístico.  E são cada mais as pessoas que resolvem mudar de vida, sair das grandes metrópoles e lançarem-se em negócios próprios sustentáveis (a todos os níveis, incluindo de saúde).

Terrenos urbanos e urbanizáveis

Do lado oposto aos terrenos rústicos estão os urbanos, onde é permitida a edificação. Este tipo de terreno tem, por regra, o conjunto de caraterísticas que a lei determina como condições para ser considerado como terreno urbano. No entanto, há terrenos que ainda não possuem todas as condições para vir a ser classificados de urbanos, como as redes de saneamento básico e de eletricidade, mas têm possibilidade de vir a ter – são os chamados terrenos urbanizáveis.

Os terrenos urbanos apresentam, sem dúvida, uma demanda maior cuja tendência de crescimento disparou, tal como os anteriores, com a pandemia. E se neste período foi a preservação da saúde (física e mental) que levou à procura de terreno para construir casa própria com espaços exteriores e até anexos que servissem de home office e/ou de ginásio, hoje em dia alia-se a este fator a subida dos preços dos imóveis e das taxas de juro do crédito habitação – a compra de terreno para construir possibilita um ajuste constante da construção ao orçamento familiar.

Como vê, a sabedoria popular passada de geração em geração confirma-se e a terra é, ainda, um ativo no qual vale a pena investir. Se está a pensar construir casa própria, a compra de um terreno pode ser adequado. Fale com um dos nossos especialistas SI Imobiliária ou com nossa equipa de arquitetura e construção SI Projetos.

E se tem vontade de abrir um negócio próprio e quer conhecer 3 oportunidades de ser tornar um empreendedor de sucesso, não hesite e fale já connosco.

Qualquer que seja o seu caso, juntos temos a solução ideal para si.

Imagens © Direitos reservados

Publicações Recentes

Dicas para poupar dinheiro na mudança da casa
Dicas para poupar dinheiro na mudança da casa
26 Janeiro 2023

Mudar de casa é um misto de entusiasmo e de dor de cabeça: por um lado, deseja-se o momento de estar na casa nova, a desfrutar do aconchego do lar; por outro, instala-se a ansiedade de ter tanta coisa para tratar e de ter despesas extras.

No que toca às despesas, temos 3 dicas eficazes que vão contribuir para reduzir os custos, ajudar no orçamento familiar e até aliviar parte da ansiedade que é normal sentir-se.

Terrenos são tendência de investimento
Terrenos são tendência de investimento
24 Janeiro 2023

Se a pandemia de Covid-19 e os consequentes confinamentos vieram despoletar a procura por terrenos rústicos e urbanos, o regresso à normalidade não abrandou a tendência e são cada vez mais as pessoas que optam por investir neste tipo de imóveis. É o reflexo de uma viragem no paradigma de vida e nos hábitos de consumo. Saiba porquê.

Casas passivas: consumir menos, viver melhor
Casas passivas: consumir menos, viver melhor
19 Janeiro 2023

A casa passiva é um conceito que nasceu na Alemanha, na década de 1980, mas que hoje em dia está difundido a nível global e graças às vantagens que aporta às famílias, à sociedade e ao planeta. De facto, a Passivhaus, palavra alemão que designa a casa passiva, oferece níveis elevados de conforto térmico, de qualidade do ar e ambiente interior, e de poupança energética. E apesar de se chamarem «casas», o termo designa as várias edificações ecológicas construídas de acordo com este conceito.

Afinal, o que são as casas passivas e que vantagens são estas? É o que vamos ver.

Crédito habitação: porquê recorrer a intermediários de crédito como a SI Crédito
Crédito habitação: porquê recorrer a intermediários de crédito como a SI Crédito
12 Janeiro 2023

É cada mais recorrente procurar o aconselhamento de especialistas na área financeira para fazer uma gestão consciente e sustentável das finanças da família, nomeadamente das suas poupanças: conhecer soluções de investimento (onde, no quê e quando investir) e soluções de financiamento, como o crédito pessoal, o crédito para construir casa própria, o crédito para obras e, claro, o crédito habitação. E porquê?

Simulador: com a subida da Euribor, faça contas e descubra a solução ideal do seu crédito
Simulador: com a subida da Euribor, faça contas e descubra a solução ideal do seu crédito
6 Janeiro 2023

Consequência direta da subida das taxas Euribor é o aumento das prestações dos empréstimos contraídos ou a contratar para aquisição de habitação. Para as famílias isto significa um aumento da taxa de esforço que vem desequilibrar o orçamento familiar e que, dado o atual contexto económico, coloca em stress financeiro os agregados familiares que já pagam o empréstimo da casa como aqueles que pretendem comprar casa com recurso ao crédito habitação.

Então, o que fazer para fazer face às despesas e continuar a pagar a prestação da casa sem colocar em risco as finanças da família?