IMI, o que muda em 2023?

23 Fevereiro 2023

O Orçamento de Estado (OE) que o executivo de António Costa preparou para 2023 e que foi aprovado traz propostas para preencher as necessidades de habitação em Portugal, com a nova Lei da Habitação, e alterações fiscais no que toca ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI). Saiba o que muda no IMI em 2023:

 

1- Alteração às taxas de IMI

A primeira alteração é em relação às taxas de IMI. As taxas máximas de IMI que os municípios podem cobrar em 2023 permanecem iguais às de 2022: 0,5% para prédios urbanos e 0,8% para prédios rústicos. No entanto, os municípios podem fixar taxas mais baixas, até um mínimo de 0,3% para prédios urbanos e 0,5% para prédios rústicos.

 

2- Nova regra para avaliar prédios urbanos

A partir de 2023, a avaliação dos prédios urbanos para efeitos de IMI será efetuada de acordo com a sua localização e características, em vez de ser feita com base no valor patrimonial tributário (VPT). Esta mudança tem como objetivo tornar o IMI mais justo, refletindo as diferenças nos preços de mercado entre diferentes áreas e tipos de imóveis.

 

3- Redução de IMI para arrendamento de longa duração

Outra alteração importante é a redução do IMI para os imóveis que sejam objeto de contratos de arrendamento de longa duração. A partir de 2023, os proprietários de imóveis que celebrem contratos de arrendamento com uma duração mínima de 10 anos terão direito a uma redução de 20% no IMI. Esta medida tem como objetivo incentivar a celebração de contratos de arrendamento de longa duração, proporcionando maior estabilidade aos inquilinos e maior previsibilidade aos proprietários.

 

4- Alterações às regras da isenção de IMI

Também haverá alterações nas regras relativas à isenção de IMI para imóveis afetos a atividades económicas. A partir de 2023, a isenção de IMI será concedida apenas aos imóveis que estejam efetivamente afetos a atividades económicas, ou seja, que sejam utilizados para a prossecução dessas atividades. Os proprietários de imóveis que se encontrem devolutos ou que sejam utilizados para outros fins perderão o direito à isenção de IMI.

 

5- Nova categoria de imóveis sujeitos a IMI

Por fim, outra alteração importante é a criação de uma nova categoria de imóveis sujeitos a IMI. A partir de 2023, os imóveis destinados a alojamento local serão sujeitos a uma taxa agravada de IMI, que poderá ir até ao dobro da taxa normal. Esta medida tem como objetivo incentivar a utilização desses imóveis para habitação permanente, em vez de alojamento turístico.

 

Apontámos de forma abrangente as alterações fiscais que o OE 2023 introduz a nível de IMI, no entanto, e se é proprietário e quer conhecer de que forma estas novas regras podem impactá-lo, não hesite e fale já connosco – os nossos consultores SI Imobiliária são especialistas no setor e vão ajudá-lo com a solução ideal para si.

 

 

 

Imagens © Direitos reservados

Publicações Recentes

Já se candidatou ao Vale Eficiência?
Já se candidatou ao Vale Eficiência?
28 Novembro 2023

Já conhece o apoio Vale Eficiência? Sabe do que se trata e quem tem direito?

Este apoio é financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), com uma dotação de 104 milhões de euros, e tem como intuito entregar 100 000 vales a famílias economicamente vulneráveis e que habitem em edifícios em situação de pobreza energética.

Este vales podem ser utilizados para investir na melhoria do conforto térmico das habitações através da realização de intervenções na envolvente ou da substituição ou aquisição de equipamentos e soluções energeticamente eficientes.

Eficiência energética em imóveis: Como tornar a sua casa mais eficiente
Eficiência energética em imóveis: Como tornar a sua casa mais eficiente
8 Novembro 2023

Num mundo cada vez mais preocupado com a sustentabilidade e a conservação de recursos, a eficiência energética em imóveis tornou-se uma questão central. A nossa casa é onde passamos a maior parte do tempo, e é também onde consumimos a maior parte da energia. Portanto, tornar a nossa casa mais eficiente em termos de energia não só beneficia o ambiente, mas também a nossa carteira.