Novas regras do crédito habitação

8 Dezembro 2022

No seguimento do pacote de medidas de combate à inflação apresentadas pelo Governo no início do último trimestre de 2022, foi também aprovado em novembro um decreto-lei com vista a reduzir o peso das prestações no orçamento familiar e que se traduz, na prática, na renegociação sem penalizações do crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente.

Saiba que regras traz este diploma, de que forma são aplicadas e quem pode pedir a renegociação dos seus empréstimos.

Quem pode pedir a renegociação do crédito?

A grande novidade que o decreto-lei traz é a obrigatoriedade de os bancos e instituições financeiras acompanharem a taxa de esforço dos clientes que tenham contratos de habitação própria permanente, isto é, cabe aos bancos o dever e responsabilidade de renegociar os contratos sempre que se verifique um aumento da taxa de esforço dos seus clientes de maneira a evitar-se o incumprimento do pagamento das prestações. No entanto, as famílias também podem pedir a renegociação em situações de agravamento da capacidade financeira.

Em que situações se pode pedir a renegociação do crédito?

Apesar de se poder renegociar as condições do crédito habitação, a verdade é que nem todos os contratos gozam deste apoio, limitando-se àqueles que:

  • a taxa seja variável e indexada à Euribor;
  • o valor do montante em dívida seja até 300 mil euros.

Ainda assim, é preciso que se enquadrem numa destas 3 situações:

  • quando a taxa de esforço da família superar os 50%;
  • quando a taxa de esforço aumentar, no mínimo, 5% e superar 36%;
  • quando o risco previsto no teste de stress feito na altura da contratação resultar no aumento da taxa de esforço acima de 36%.

De que forma se pode renegociar o crédito habitação?

De entre as soluções que as instituições financeiras podem propor aos seus clientes, estão o alargamento do prazo do empréstimo, a consolidação de créditos, a redução da taxa de juro durante um período a definir entre o banco e o cliente, um novo contrato de crédito habitação.

Qualquer que seja a solução apresentada, esta não pode traduzir-se, sob pretexto algum, num aumento da taxa de juro e tem sempre de baixar a taxa de esforço do crédito habitação.

Qual é o prazo para renegociar e até quando se aplicam as novas regras?

O decreto-lei entrou em vigor a 25 de novembro e as medidas vão aplicar-se também em 2023. A partir daquela data, os bancos têm 45 dias para analisar na sua carteira de clientes com crédito habitação aqueles que têm já um aumento da taxa de esforço e os que podem vir a ter, e apresentar-lhes outras opções para liquidar o empréstimo.

Além disso, os bancos ficam também obrigados a analisar e detetar antecipadamente, num prazo mínimo de 60 dias, os contratos cuja taxa de juro vá ser atualizada e daqui resulte um agravamento da taxa de esforço do cliente.

Com esta medida, o Governo pretende regular o processo de negociação entre as instituições de crédito e as famílias de modo reduzir o impacte da subida das taxas de juro. É de chamar a atenção que esta medida não se aplica ao crédito habitação com taxa fixa, nem ao crédito à aquisição de segunda habitação, nem ao crédito ao consumo.

Esta é a altura ideal para renegociar as condições do seu empréstimo e na SI Crédito temos uma equipa de gestores especializados que vão analisar o seu caso e encontrar a solução ideal para si. Por isso, não espere mais e fale hoje mesmo connosco.

Imagens © Direitos reservados

Publicações Recentes

Dicas para poupar dinheiro na mudança da casa
Dicas para poupar dinheiro na mudança da casa
26 Janeiro 2023

Mudar de casa é um misto de entusiasmo e de dor de cabeça: por um lado, deseja-se o momento de estar na casa nova, a desfrutar do aconchego do lar; por outro, instala-se a ansiedade de ter tanta coisa para tratar e de ter despesas extras.

No que toca às despesas, temos 3 dicas eficazes que vão contribuir para reduzir os custos, ajudar no orçamento familiar e até aliviar parte da ansiedade que é normal sentir-se.

Terrenos são tendência de investimento
Terrenos são tendência de investimento
24 Janeiro 2023

Se a pandemia de Covid-19 e os consequentes confinamentos vieram despoletar a procura por terrenos rústicos e urbanos, o regresso à normalidade não abrandou a tendência e são cada vez mais as pessoas que optam por investir neste tipo de imóveis. É o reflexo de uma viragem no paradigma de vida e nos hábitos de consumo. Saiba porquê.

Casas passivas: consumir menos, viver melhor
Casas passivas: consumir menos, viver melhor
19 Janeiro 2023

A casa passiva é um conceito que nasceu na Alemanha, na década de 1980, mas que hoje em dia está difundido a nível global e graças às vantagens que aporta às famílias, à sociedade e ao planeta. De facto, a Passivhaus, palavra alemão que designa a casa passiva, oferece níveis elevados de conforto térmico, de qualidade do ar e ambiente interior, e de poupança energética. E apesar de se chamarem «casas», o termo designa as várias edificações ecológicas construídas de acordo com este conceito.

Afinal, o que são as casas passivas e que vantagens são estas? É o que vamos ver.

Crédito habitação: porquê recorrer a intermediários de crédito como a SI Crédito
Crédito habitação: porquê recorrer a intermediários de crédito como a SI Crédito
12 Janeiro 2023

É cada mais recorrente procurar o aconselhamento de especialistas na área financeira para fazer uma gestão consciente e sustentável das finanças da família, nomeadamente das suas poupanças: conhecer soluções de investimento (onde, no quê e quando investir) e soluções de financiamento, como o crédito pessoal, o crédito para construir casa própria, o crédito para obras e, claro, o crédito habitação. E porquê?

Simulador: com a subida da Euribor, faça contas e descubra a solução ideal do seu crédito
Simulador: com a subida da Euribor, faça contas e descubra a solução ideal do seu crédito
6 Janeiro 2023

Consequência direta da subida das taxas Euribor é o aumento das prestações dos empréstimos contraídos ou a contratar para aquisição de habitação. Para as famílias isto significa um aumento da taxa de esforço que vem desequilibrar o orçamento familiar e que, dado o atual contexto económico, coloca em stress financeiro os agregados familiares que já pagam o empréstimo da casa como aqueles que pretendem comprar casa com recurso ao crédito habitação.

Então, o que fazer para fazer face às despesas e continuar a pagar a prestação da casa sem colocar em risco as finanças da família?